O COTIDIANO NÃO TEM NÓS DOIS

951dbf26dcfd765e092762a158f04549

O único presente que vejo é o que está no jornal ou no folhetim

O céu está nublado e aquele tempo entre nós se torna passado

O futuro é anunciado e rima facilmente com o fim

Entre notícias de lama nas Minas Gerais e sangue em Paris, o meu coração se fecha.

Tudo parece tão cinza lá fora e não difere do que há dentro de mim.

Não há motivos para tentar agora, pois agora só existe “Não” onde há tão pouco tempo havia “Sim”

Eu deixo o tempo passar, o céu mudar de cor, a lua mudar de fases sem que eu tente novamente.

Eu deixo você se afastar, eu me deixo silenciar, eu desisto de lutar por um “Nós” diariamente.

O cotidiano não tem nós dois.

Nat Medeiros

Fonte da Imagem: Pinterest

Anúncios

CINZA DOMINGO

17a35f2d91bc4bab717c830a1f255952

Domingo de céu cinza

Domingo que não me deixa dormir, domingo que faz meus pensamentos voarem

Domingo que me atormenta embora tudo seja sereno lá fora

Domingo que me dá tempo para ouvir todas as músicas do meu celular

É também o mesmo domingo que me faz sentir todas as dores que eu tentei evitar

Domingo que me pega, domingo que me toma, domingo que me tomba

Domingo deveria ser facultativo, arbitrário

Escolhe-se ou não, descansa-se ou não, paralisa a vida ou não

Se até o presidente eu escolho, por que não poder escolher fugir de um calvário?

Eu abdicaria de um domingo se mais um dia ativo fosse me dado

Eu acho o domingo se assemelha a todo medo que eu tenho: é desnecessário.

Ninguém passa ileso a um domingo

Nat Medeiros

NINGUÉM SABE MUITO SOBRE ELA

 d698818c81e279909e2915b5ec4b5b09
Ninguém sabe muito sobre ela. Talvez somente eu a conheça. Ou talvez nem mesmo eu. Ela não é dessas que conversam muito ou que se encontre muito por aí. Ela faz muitas viagens mas todas elas pra dentro de si. Ela se perde em livros e músicas, em realidades e sonhos e carrega tantas palavras na alma que somente o silêncio pode traduzir.
Ser calada é a natureza dela, é seu estado natural, o seu modo de sentir e contemplar o mundo. O silêncio é o seu habitat, ela mora nela mesma ou em um reino no fundo do mar. Não é quando ela está calada que ela está diferente. Ela está diferente é quando fala tudo o que sente. A pior hora é quando ela coloca pra fora o que estava trancado a sete chaves. Porque ela só fala quando está desistindo, ela só se expõe quando está indo embora.
É aquele costumeiro momento em que o medo de dar errado é maior que a sua vontade de fazer dar certo. Ela não é de insistir. Eu não sei se é por força ou por fraqueza mas ela sempre desiste quando o coração começa a bater mais forte. Ela abre mão do que poderia ser um “nós” para ficar apenas com o seu “eu”.
No fundo ela apenas tem medo de se entregar, ela apenas tem medo de se perder, ela apenas tem medo de perder a tranquilidade quando coloca a cabeça no travesseiro. Ela não quer perder a serenidade pois a sua serenidade é apenas e tudo que ela tem.
Ela não mais escreve poesia, somente prosa. Sua cor preferida é o azul escuro, não mais o rosa. Ela não tem mais os sonhos românticos de outrora tampouco antigas esperanças. Só restou a calma de um espaço vazio e ela tem medo de preencher esse espaço e perder essa calma. Ela tem medo de esperar por uma mensagem, ela tem medo de esperar por um encontro, e outro e mais outro e outro mais. Ela não tem medo de terminar, medo ela tem é de continuar, de seguir em frente rumo ao desconhecido, rumo àquilo que pode ser nada, ou, quem sabe, pode ser tudo.
Por isso ela habita uma ilha, onde é tão difícil chegar. As suas águas são tão profundas que escondem segredos que ninguém nunca nem viu. Ela se sente em paz quando as águas estão serenas mas se alguém decide navegá-las, ela agita as suas marés, impedindo qualquer alcance.
No fundo do seu mar ela quer a-mar, mas não tem coragem. No fundo do seu mar ela quer sentir, mas ela é covarde.
Talvez um dia, quem sabe, a vontade seja maior que o medo, e ela deixe as suas águas serem navegadas e enfim divida os seus tantos segredos. Mas enquanto isso, ela vai criando “nãos” e se apoiando neles, se protegendo neles. Enquanto isso ela vai escrevendo textos que não ousa mostrar a ninguém, Talvez um dia ela se canse de escrever suas histórias, todas com o mesmo final, e decida finalmente deixar que a vida as escreva…
 Autora: Nat Medeiros
Fonte da imagem: https://br.pinterest.com/pin/485614772298186380/