COMO SUPEREI UM PÉSSIMO CORTE DE CABELO E FIZ A TRANSIÇÃO CAPILAR

Sem título.png

Sempre tive o cabelo ondulado. Nem liso, nem cacheado e eu achava super difícil usá-lo naturalmente pela ausência de forma definida. Quando completei 16 anos fiz uma escova progressiva. O resultado me agradou, o volume diminuiu e o fio tomou uma forma lisa. Fui repetindo esse procedimento até por volta dos 22 anos. Aí decidi parar, pois apesar de o meu cabelo ser muito forte, ele estava cheio de pontas duplas. Sem citar que a cor dele clareou bastante também, chegando ao tom de castanho cobre.

Fiquei seis meses sem nenhuma química. Até que fiquei sabendo de um alisamento chamado recondicionamento térmico. Para eu fazer esse procedimento, eu precisaria estar há seis meses sem química e eu já estava. Então nem pensei duas vezes e fiz. O resultado foi maravilhoso, o cabelo ficou super liso e eu só precisaria fazer o procedimento de novo na raiz. Seguem fotos:

20140704_141307-e1478117362955-435x580C360_2015-05-18-23-32-41-520-450x450

Fiquei bem satisfeita mesmo. O problema é que eu também tonalizava o meu cabelo e isso causava um embaraço absurdo. Em todo banho eu gastava vinte minutos só para penteá-lo. Decidi mais uma vez parar com a química. Nisso meu cabelo já era enorme e eu tinha que ficar passando chapinha na raiz para deixá-lo uniforme. Segui fazendo isso por quase dois anos. O meu cabelo era todo reto e o contraste entre a parte natural e a parte lisa era bem perceptível.

A transição capilar

Foi então que em Agosto de 2015 eu tive a belíssima ideia de ir a um salão para que cortassem picado ou em camadas. Achava que assim seria mais fácil passar pela transição capilar. Ainda expliquei à cabeleireira (que eu já conhecia) como eu queria o corte e ainda levei uma foto para ela ter uma ideia exata.

Gente, quando eu olhei no espelho eu não acreditei no que vi. As pessoas no salão também notaram, pareciam pensar: “estava bem melhor antes”. Fiquei estática, sem palavras, só paguei a conta e saí de lá correndo. Cheguei em casa e olhei no espelho. Como eu queria voltar no tempo, viu. O que a cabeleireira fez no meu cabelo era irrecuperável. Eu tinha um cabelo imenso mas se eu fosse corrigir o erro, ele iria parar na altura do meu queixo e eu definitivamente não estava preparada pra isso. O cabelo, por ainda ser liso em sua maior parte, ficou com a aparência de espigado, umas partes ficaram muito curtas, outras ficaram bem maiores e na frente um lado ficou bem menor que o outro. Pra vocês terem uma ideia seguem as fotos (desculpem a qualidade ruim mas é porque tirei do meu celular).

20150809_154841-434x58020150809_154814-467x580PicsArt_11-02-05.47.38-486x580

Isso abalou tanto a minha autoestima que no primeiro dia eu tive que tomar remédio pra dormir. Tudo que eu queria era acordar no dia seguinte e ver que tudo não passou de um pesadelo. Mas não foi pesadelo e só me restou ir cortando aos poucos pra ir acertando. Eu mesma fui cortando (reto, como eu gosto mais). Sempre fui eu mesma que cortei meu cabelo e depois disso tudo eu só confiava em minha própria mão. Mas mesmo cortando, ele estava me desagradando muito. Em Novembro de 2015 fiz um outro corte mas ele continuava desregular. Sem falar que eu ainda estava em transição capilar. Era um caos total: cada fio de um tamanho e com texturas diversas.

Então, em Janeiro de 2016, eu decidi cortar curto logo, deixar todo reto e de quebra tirar a parte que ainda tinha química. Confesso que mais uma vez foi sofrido. A última vez que eu tive cabelo curto foi quando eu era criança e a ideia do cabelão já estava associada à minha imagem e identidade (teve gente que nem me reconheceu mais). Mas, apesar da grande mudança, eu fui me adaptando principalmente porque aí ele estava natural, muito mais saudável e fácil de desembaraçar. Mas continuei usando chapa porque eu ainda achava que ele natural não era bonito

C360_2016-01-15-17-54-11-741-330x330C360_2016-01-23-13-48-59-194-330x330IMG_20160510_221152-330x330

A transformação

Em Julho de 2016 eu conheci, através do texto da Karla Lopes  no Superela, os procedimentos No Poo e Low Poo (Como Fazer Low Poo e No Poo?). Eu achava que era uma coisa de sete cabeças, que pesaria no meu bolso, mas estava muito enganada. Segui ambos procedimentos, intercalando, e os resultados foram maravilhosos. Entrei em alguns grupos no Facebook que abordavam tais temas e vi o quanto existem pessoas passando pela transição capilar, se amando e aprendendo a amar seus cabelos. Aprendi também algumas técnicas que deixam meu cabelo com formato mais definido e bonito, como a fitagem, e aprendi também sobre a importância de secá-lo com camisa de algodão e nunca secar com toalha, já que causa frizz.

C360_2016-08-07-20-34-54-464-600x450 (1)

Hoje ele está maior e confesso que volta e meia uso chapa pra deixá-lo liso (conforme foto abaixo). Mas tenho confiança pra usá-lo natural. Quando não dá tempo de modelá-lo, não deixo de sair de casa por isso. Eu lavo e vou, saio com ele úmido mesmo. Estou aprendendo um pouco mais sobre liberdade, rs.

IMG_20170525_111253

No fim das contas, perdi muitos centímetros de cabelo mas ganhei autoestima, confiança e fios muito saudáveis. Foi fácil? Não! Foi muito difícil e tive dias horríveis após meu cabelo ser detonado em um corte desastroso. Mas peguei os limões e transformei em limonada.

Nat Medeiros

Fonte das imagens: acervo pessoal

Texto origanlmente escrito em: Superela

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s